XIII Encontro Científico e de Iniciação Científica Anhembi Morumbi

IMG-0279

QUANDO E ONDE ACONTECEU O ENCONTRO: 02 de dezembro de 2017. Local: Universidade Anhembi Morumbi Endereço: Rua Casa do Ator, 275 – Campus Vila Olímpia

QUEM PARTICIPOU:
Drª Helena Napoleon Degreas (Programa de Mestrado Profissional FIAM-FAAM) e Profa. Raquel Duarte Pires ((Prof. CST Design de Interiores FIAM-FAAM)
Coordenação de Sala 638 – 2º andar – Unidade 6 – Campus Vila Olímpia Mesa Temática: Arquitetura e Urbanismo

Categoria: DISCENTE DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU 

Título: Uma reflexão acerca dos instrumentos de regulação urbanística do município de São Paulo e a produção de apartamentos Studio: localização ou habitação?
Autor(es): Helena Degreas, Raquel Duarte Pires (Prof. CST Design de Interiores FIAM-FAAM)
Orientador(a): Helena Degreas
Instituição: FIAM-FAAM Centro Universitário – Programa de Mestrado

Categoria: Discente de Pós-Graduação Stricto Sensu
Título: Edifício espetáculo: a Estação da Luz como Museu da Língua Portuguesa, o projeto de arquitetura para a cultura de consumo.
Autor(es): Cidomar Biancardi Filho (Prof. CST Design de Interiores FIAM-FAAM)
Orientador(a): Dra. Priscila Arantes
Instituição: Universidade Anhembi Morumbi

Categoria: DISCENTE DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Título: Apartamentos studio em São Paulo: um estudo sobre os apartamentos ultracompactos

Autor(es): Bruna de Oliveira Rosa e Silva

Orientador(a): Helena Degreas
Instituição: FIAM-FAAM Centro Universitário

 

Título: Sistemas de espaços livres, morfologia e tipologia urbana: a Avenida Paulista sob a ótica da arquiteta Rosa Grena Kliass
Autor(es): Enill Alves Avalle
Orientador(a): Helena Degreas
Instituição: FIAM-FAAM Centro Universitario

Título: (Re)pensando e (Re)qualificando a rua: o uso de ferramentas de mensuração para a compreensão e avaliação do desempenho físico e espacial urbano
Autor(es): Davi Ramalho Oliveira da Silva e Fernanda Cavalheiro Rafael Junior
Orientador(a): Helena Degreas
Instituição: FIAM-FAAM Centro Universitário

Título: Do plano macro ao micro, qual o lugar da favela nos projetos urbanos de São Paulo: o caso do Polo Institucional Itaquera e a Favela da Paz
Autor(es): Fernando Mariano da Silva Junior
Orientador(a): Sergio Luis Abrahão
Instituição: FIAM-FAAM Centro Universitário

Categoria Poster:
Título: Como criar cidades mais caminháveis
Autor(es): Maira Brigitte Moraes Pelissari
Orientador(a): Helena Degreas
Instituição: FIAM-FAAM Centro Universitário

XIII 1

Anúncios

Intervenção será apresentada na Bienal de Arquitetura

Ação de urbanismo tático aconteceu no sábado (16) na Zona Norte de São Paulo

 

No último dia 16 de setembro, o bairro de Santana, na Zona Norte de São Paulo, foi palco de uma ação de intervenção urbana com foco no pedestre. A ação foi realizada pelo ITDP Brasil, com financiamento da Citi Foundation e em parceria com a Iniciativa Bloomberg para Segurança Global no Trânsito (BIGRS),  a Iniciativa Global de Desenho de Cidades (NACTO-GDCI), o WRI Brasil Cidades Sustentáveis e a Vital Strategies, com apoio da Prefeitura Regional de Santa/Tucuruvi, da Secretaria Municipal de Mobilidade e Transporte, da Escola Modelo da Faculdade de Arquitetura FIAM-FAAM e da start-up Urb-i — Urban Ideas.

A experiência ficou registrada em um curta-metragem que será apresentado na 11ª Bienal de Arquitetura de São Paulo, cuja etapa expositiva terá início em outubro deste ano. O tema convida a pensar sobre “O projeto”, entendido como um instrumento capaz de combinar diversas disciplinas presentes no planejamento urbano.

Ao longo de todo o dia, os moradores de Santana vivenciaram a experiência de um espaço mais seguro para o  pedestre e mais convidativo para a socialização. Algumas interseções entre as ruas Dr. César, Salete Voluntários da Pátria e Leite de Morais receberam mobiliário temporário e sinalização horizontal para induzir a redução de velocidade dos automóveis, diminuir a distância de travessia dos pedestres e aumentar a visibilidade entre o motorista e o pedestre, estimulando o respeito à vida e ao Código de Trânsito Brasileiro, que estabelece a prioridade do pedestre na hierarquia do trânsito. Cadeiras de praia, guardas-sóis e apresentações culturais foram atrativos da ação. Estudantes e voluntários testaram soluções em escala reduzida, intervindo em pontos onde é necessário ampliar a segurança viária.

Participantes da oficina de redesenho urbano realizada pelo ITDP no dia 24 de agosto estiveram presentes e conferiram as modificações propostas. Uma pesquisa com moradores e comerciantes da região também foi aplicada.

Segundo Danielle Hoppe, Gerente de Transportes Ativos – Mobilidade a pé do ITDP Brasil, o urbanismo tático — forma como ficou conhecida esta modalidade de intervenção no espaço público — é um recurso importante para sensibilizar as pessoas sobre a importância da caminhabilidade. “Quando o poder público apresenta um projeto de alteração do espaço viário, é natural que haja muita resistência. O urbanismo tático demonstra de forma concreta como é possível redesenhar o ambiente e enfatiza a melhoria proposta de forma mais clara, possibilitando ajustes de projeto quando necessário”.

Para Nilo Guilherme, que há mais de 30 anos se desloca diariamente de transporte público para trabalhar em Santana, a medida pode ser positiva para dinamizar o comércio local. “Quando há muito congestionamento e barulho, você se desencoraja a passear pelo bairro, fazer compras. E o comércio é muito importante para a nossa economia local”, afirmou.

Reportagem do Canal Mova-se sobre a intervenção

Galeria de Fotos

 

Projetando na escala do pedestre: métodos e instrumentos de avaliação local

Mobilidade Urbana produção de espaços livres públicos

O que ensinamos no Escritório- Modelo:

  • Planejamento e Projeto urbano construídos com foco em produção de espaços públicos adequados à realização das atividades e comportamentos dos usuários com o objetivo de atender à realização da esfera de vida pública.

Linha de atuação:
PSPL – Public Space, Public Life (Jan Ghel), Cidade Ativa , Walknomics Principles, SPUrbaismo,  NYC TOD (Bloomberg e Jannet Sadik-Khan), Planmob 2015.

Quais instrumentos foram estudados para a realização do levantamento:

  • Safari Urbano: vem da metodologia do Active Design. A organização Cidade Ativa traduziu e adaptou aqui para o Brasil.
  • Fluxos e Permanências (registros): adaptamos do arquiteto finlandês Jan Gehl.
  • Painéis interativos: metodologia criada pela Cidade Ativa
  • Jay walk ou travessias (registros – SPUrbanismo)
  • Levantamentos fotográficos

Quais leituras são utilizadas para a realização das propostas de caminhabilidade?

O trabalho a seguir, foi desenvolvido ao longo do primeiro semestre de 2017 pelo escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo do FIAM-FAAM Centro Universitário e teve por objetivo exercitar a atividade de observação da realidade pelos alunos, a partir da aplicação de instrumentos de avaliação de comportamentos urbanos na escala do pedestre. Para tanto, foi selecionado um local crítico: o ponto de ônibus localizado na Avenida Rebouças – Para Clínicas que fica sob a passarela Prof. Dr. Emílio Athiê.
A sugestão foi apresentada em reunião realizada no início de 2017 pela Câmara Temática de Mobilidade à Pé vinculada ao Conselho Municipal de Transporte e Trânsito (Secretaria Municipal de Mobilidade e Transportes,Prefeitura do Município de São Paulo). As atividades acadêmicas estavam associadas ao projeto de pesquisas intitulado Mobilidade Urbana e Produção de Espaços Livres, vinculado ao Mestrado Profissional e Projeto, Produção e Gestão do Espaço Urbano.

O resultado deste trabalho – .um diagnóstico, encontra-se no link a seguir. O documento apresenta as pesquisas de observação e os instrumentos adotados para que os levantamentos pudessem ser realizados.

Numa próxima etapa, o diagnóstico levará a propostas de intervenção na escala de projeto urbano.

Diagnóstico: Passarela Prof. Dr. Emílio Athiê e Ponto de Ônibus Clínicas

Alunos:  Gregory Bertelli ,Leandro Mendes Mesquita, Maria Alicia Abate, Nathiely Fátima de Miranda, Patrícia Mieko de Angelis Sato, Vitória Raiza Marques Novo

Escritório Modelo: apresentação HFG

Com o objetivo de servir de inspiração para a convivência pacífica, o exercício da tolerância, a prática da solidariedade e para a formação de cidadãos e futuros profissionais autônomos e participativos nos processos de produção de nossas cidades, o escritório-modelo do curso de arquitetura e urbanismo do FIAM-FAAM Centro Universitário vem acolhendo práticas pedagógicas experimentais que tornam o aprendizado mais significativo, bem como seus resultados preciosos para as mudanças tão necessárias para a realidade brasileira. Criado no início dos anos 2000, o escritório modelo desenvolveu centenas de estudos propositivos em arquitetura, urbanismo, paisagismo e design universal gratuitos para atender comunidades carentes, igrejas, ONGs, hospitais e instituições públicas sob a supervisão atenta de nossos educadores. Pelas atividades de “estágio voluntário” que são parte integrante da matriz curricular, milhares de alunos disponibilizaram e ainda hoje disponibilizam, 80 horas de dedicação a formulação desses estudos voltados à comunidade, impactando positivamente e das mais variadas maneiras na vida de milhões de pessoas. Dos cerca de 200 alunos que se formam anualmente, aproximadamente 16 mil horas de trabalho dirigido para o bem social foram aplicadas. O êxito de suas produções gerou um novo escritório denominado D!Lab que atua  nos cursos de Design de Interiores, Design, Fotografia e Moda.  Desde a produção de mapas táteis para deficientes visuais feitos para as  estações de metrô (e arredores) da cidade de São Paulo até a produção de Layouts de ambientes para pessoas com deficiências funcionais diversas, da  organização de Trotes Solidários que incentivam a produção de reformas, construção de espaços urbanos utilizando o urbanismo tático como método entre outros, o escritório-modelo vem impactando positivamente também nossos alunos por meio da melhoria da autoestima, resignificação de seu papel como cidadão apontando-lhe os caminhos para a mudança de sua realidade por meio de uma cidadania cada vez mais ativa, tolerante, plural e próspera.

Benefícios & Impacto sociais: números e ações que mudam realidades

Formam-se cerca de 200 alunos anualmente no curso de arquitetura e urbanismo. Cada aluno disponibiliza 80 horas de atividades acadêmicas junto ao escritório modelo o que resulta em cerca de 16 mil horas por anos em ações que impactam direta e positivamente nas comunidades envolvidas. Em média, oito professores são responsáveis pelas atividades de tutoria. À título de ilustração, deixaremos aqui alguns exemplos de estudos propositivos:

  1. Mapas Táteis Urbanos para o metrô de São Paulo (3 milhões de usuários dia – Metro, 2015), para a SPTuris (Projeto Carnaval Paulistano: só não vê quem não quer! Cerca de 80 deficientes visuais) e para o mercado municipal de São Paulo (50 mil visitantes semanais): O trabalho resultou num blog que comunica as ações que vem sendo realizadas em tecnologias assistivas por nossos alunos e professores.
  2. Amparo Maternal: cerca de 1000 mulheres passam pela ONG. O escritório Modelo realizou duas reformas – uma de um brechó que atende a comunidade do bairro e outra de uma biblioteca de leitura para as parturientes.
  3. Casa Projeto & Estilo: já foram realizados mais de 30 layouts de ambientes para pessoas com as mais variadas deficiências num total de 25 revistas. Cada exemplar apresenta tiragem de 36 mil exemplares.
  4. Trotes Solidários: Quatro trotes já foram realizados. O último realizado o no ano de 2016 foi responsável pelo envolvimento de 140 estudantes, 12 professores e 1232 horas de voluntariado e beneficiou um lugar frequentado diariamente por mais de 3 mil alunos além dos moradores do bairro.  Os alunos criaram um longe urbano numa esquina criando um mural com realizados predominantemente por crianças cegas e com baixa visão. Um dos trotes mais significativos foi a Reforma de dois ambientes na UTI Neonatal do Instituto da Criança do hospital das Clínicas. Essa ação envolveu mais de 150 pessoas para a sua realização e beneficiou milhares de mães e crianças que circulam anualmente no local.

1. Mapas Táteis Urbanos
Site criado:
http://mapatatil.wordpress.com

Ações:

1.1. Metrô | Companhia do Metropolitano de São Paulo

figura-03

figura-07
Estação Sta Cecília do Metrô

1.2. São Paulo Turismo – Empresa de Turismo e Eventos da Cidade de São Paulo

fig-7Mapa localizado no Parque Mário Covas, cidade de São Paulo, SP

fig-6
Detalhe dos levantamentos e informações (projeto) do Mapa Tátil da Estação Santa Cruz do Metrô SP
fig-8
Detalhe das informações em Braille do Mapa Tátil existente no Parque Mário Covas

fig-9
Imagem do Mapa Tátil existente no Mercado Central de São Paulo

2. Amparo Maternal

https://helenadegreas.wordpress.com/tag/amparo-maternal/

O trote só foi possível graças à união voluntária de alunos e professores de vários cursos que, sob a tutoria de professores de arquitetura e urbanismo e Design de Interiores conseguiram realizar o layout bem como a reforma.

trote-11

3. Casa Projeto & Estilo: 25 revistas publicadas com projetos (layout) para pessoas com deficiências funcionais desenvolvidos por alunos dos cursos de Arquitetura e Urbanismo & Design de Interiores junto ao escritório-modelo e posteriormente o D!Lab.

003

Ricardo Cipolla e Ana Paula HigaCozinha com princípios de Desenho Universal

CASA Projeto & Estilo FIAMFAAM Centro Universitário Helena Degreas Talita Benedicto  e  Vitor Zonderico Brandão   FIAM-FAAM Centro Universitário CASA Projeto & Estilo Helena Degreas

Ana Júlia Ribeiro, Barbara Cabral,Karoline Gaiardo Casa projeto e Estilo novembro 2012

4. Trotes Solidários

https://escritoriodearquitetura.wordpress.com/2016/10/27/arte-a-vista-um-presente-dos-alunos-do-instituto-de-cegos-padre-chico-e-do-fiam-faam-para-a-cidade/
https://designdeinterioresfiamfaam.wordpress.com/2015/07/19/trote-solidario-reforma-relampago/

Atividade que destacou-se nos meios de comunicação:
Programa Ressoar – Matéria da ação na Record News

Artigo publicado em Revista Eletrônica
A cidade como Sala de Aula!

Sem os tutores, nada disso seria possível! especiais agradecimentos:

Equipe de tutores do Escritório Modelo de Arquitetura e Urbanismo em 2016:
Helena Napoleon Degreas, Maria Albertina Jorge Carvalho (responsável 2016), Caio Boucinhas, Sylvia Dobry, Antonio Soukef, Clévio Rabelo, Olivia Buscariolli, Sergio Abrahão, Antonio Busnardo Filho

Equipe de Tutores do DLab! – Laboratório de criatividade inovação e design em 2016:
Adriana Valli Mendonça, Lilian Regina Machado de Oliveira (responsável 2016), Cidomar Biancardi Filho

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Convite para 2017: constituição de uma rede de mobilidade a pé na cidade de SP -planejamento e propostas projetuais

FIAM-FAAM CENTRO UNIVERSITÁRIO
Mestrado Profissional: Projeto, Produção e Gestão do Espaço Urbano
Grupo de Pesquisas Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção, gestão e apropriação
Escritório Modelo do Curso de Arquitetura e Urbanismo
Proposta da Profª Helena Degreas

 

PROPOSTA DE PROJETO

Introdução

O Decreto 56.834 de 24 de fevereiro de 2016 que institui o Plano Municipal de Mobilidade Urbana de São Paulo – PlanMob/SP de 2015 foi elaborado para atender a determinação do artigo 24, § 1º da Lei Federal nº 12.587 de 3 de janeiro de 2012 (Política Nacional de Mobilidade Urbana – PNMU). Trata-se de instrumento da política de desenvolvimento urbano que tem por objetivo a integração entre os diferentes modos de transporte e a melhoria da acessibilidade e mobilidade das pessoas e cargas no território do Município de modo a contribuir para o desenvolvimento urbano por meio do planejamento e da gestão democrática do sistema nacional de mobilidade urbana estabelecendo nos artigos 16 aos 18, as responsabilidades das três esferas de governo na solução dos problemas de mobilidade urbana. O PlanMob2015 foi elaborado pela Secretaria de Transportes da Prefeitura do Município de São Paulo e coordena os planos de transporte e circulação incorporando a produção acadêmica recente bem como as demandas produzidas pela sociedade civil organizada (PlanMob SP/2015 pag.8). Prioriza o uso do espaço viário urbano pelo transporte público coletivo, transporte ativo (o uso da expressão não fica claro no corpo do texto) e deslocamentos a pé contextualizando, este último, como prioritário dentre os demais. A Região Metropolitana de São Paulo – RMSP tem cerca de 20 milhões de habitantes, divididos em 39 municípios e ocupando uma área urbanizada superior a 2.200 km² e seu Produto Interno Bruto – PIB atingiu R$ 786,5 bilhões em 2012, o que corresponde a algo em torno de 19% do PIB brasileiro. Desde os anos 1950, as políticas federais, estaduais e municipais relativas ao transporte urbano bem como de produção econômica sofreram forte incentivo fiscal para a produção e venda de automóveis e, portanto, para a construção de sistema viário para a fluidez e escoamento desse modal de transporte. Adequando-se às políticas públicas de transporte, as políticas municipais de planejamento do espaço urbano passaram a propor alterações e adequações para atender em seu espaço físico, aos deslocamentos viários realizados por meio de transporte de veículos particulares e coletivos adotando os princípios da engenharia de tráfego.

É nesse contexto que as atividades do escritório-modelo estarão inseridas para o primeiro e segundo semestres de 2017.

Tema para 2017:

Sistema de Circulação de pedestres e a constituição da Rede de mobilidade à pé na cidade de São Paulo: estudos, diagnósticos e propostas à luz da Rede de Estruturação e transformação urbana proposta no Art. 9º, parágrafo II do PDE 2014 e da Rede de Espaços Públicos.                          https://www.facebook.com/urb.i4/videos/1754474344879019/

 Cliente:

Câmara Temática de Mobilidade à Pé / Conselho Municipal de Transporte e Trânsito / Secretaria Municipal de Transportes PMSP

Problemática:

– É possível aplicar o conceito de placemaking (e todas as suas implicações sociais, ambientais e espaciais) em vias e setores urbanos que compõem as redes estruturadoras (foco em viária) previstas no PDE 2014 de São Paulo associando-o ao conceito de Rede de Espaços Públicos?
– É possível agregar qualidade de vida urbana nos locais selecionados para estudo, diagnóstico e projeto?

Proposta: identificação de locais para a criação de “pedestrian plazas” e “Private Owned Public Spaces – POPS” como extensões sociais dos passeios públicos

As áreas denominadas “Pedestrian Plazas” são espaços livres públicos criados em torno de áreas residuais vinculadas ao sistema viário / áreas residuais provenientes de desmembramento de glebas em loteamentos com possibilidade de acesso de pedestres e que podem fazer parte da rede de mobilidade à pé, situando-se ao longo das calçadas e passeios públicos em áreas qualificando-se como extensões sociais urbanas. Proposta semelhante ocorre com os POPS, espaços de propriedade particular que, mediante incentivos fiscais e edilícios, é projeto para a apropriação pública irrestrita.

Esta proposta inspira-se no NYC Plaza Program que é parte integrante do DOT – Department of Transportation da Cidade de New York. O Programa prevê a criação de inúmeros programas associados ao programa de circulação não motorizada. Dentre as ações, destaca-se a priorização na criação de praças de vizinhança em toda a cidade por meio da requalificação de áreas residuais subutilizadas para fins de fruição pública e que sejam acessíveis a pé em até 10 minutos de caminhada bem como uma série de outras tipologias espaciais provenientes de políticas públicas de promoção da mobilidade a pé como modal de transporte urbano.

Alguns exemplos da atuação dos alunos do escritório em 2016/2

https://escritoriodearquitetura.wordpress.com/2016/10/27/active-design-projetos-urbanos-promovendo-espacos-publicos-para-a-m

https://helenadegreas.wordpress.com/2016/12/14/bem-vindos-a-sala-de-aula-urbana/

1

Como será realizada a pesquisa?

Por meio de acordo de cooperação técnica entre:

Escritório Modelo do Curso de Arquitetura e Urbanismo
– levantamento físico, aplicação de instrumentos de avaliação (Cidade Ativa) junto à comunidade envolvida, proposta de intervenção.

Mestrado Profissional de Urbanismo
Orientação e coordenação dos alunos: Helena Degreas

Cooperação: Cidade Ativa
– Engajamento de comunidades em métodos participativos por meio da aplicação de instrumentos e metodologias de medições e avaliação de comportamento de pessoas para análise de espaços baseados no active design, Safaris Urbanos entre outras.

Cooperação: Mobilize
– Discussões e métodos para condições de mobilidade a pé nas cidades brasileiras.

Órgão ou Departamento Público
– CTMP – Câmara Temática Mobilidade a pé/ Conselho Municipal de Transporte e Trânsito / Secretaria Municipal de Transportes PMSP
– subprefeitura (aguardando confirmação)

Prazos:

Etapa 1
Início: fevereiro de 2017
Finalização: junho de 2017

Etapa 2
Início: agosto de 2017
Finalização: novembro de 2017

Como será feito:
– Os encontros presenciais obrigatórios com os alunos ocorrerão semanalmente no Escritório Modelo do campus Vila Mariana I e II bem como nas dependências do Programa de Pós-graduação junto ao campus Liberdade, situado à Avenida Liberdade 749, 7º andar, bloco B.
– Estão previstos encontros síncronos em datas e horários a combinar por meio do uso da ferramenta Zoom ou Skype com o professor.
– Os alunos do escritório Modelo, alunos PIC, bem como egressos do CAU-FIAMFAAM farão parte das discussões do Grupo de Estudos SEL FIAM-FAAM, parte integrante do Grupo de Pesquisas CNPQ SEL FIAMFAAM. As discussões são abertas a membros da comunidade e objetivam subsidiar teórica e metodologicamente as atividades propositivas de seus membros.
– nestes dias serão desenvolvidas as palestras, oficinas e seminários que pretendem capacitar os alunos para o desenvolvimento dos levantamentos físicos bem como a aplicação dos métodos desenvolvidos pelas ONGs e autarquias para conhecimento das necessidades das comunidades envolvidas e aplicação dos projetos.
– as visitas poderão eventualmente ocorrer em outros dias e horários desde que combinados com antecedência.
Produtos previstos:
– levantamentos físicos dos locais estudados
– diagnósticos resultantes da aplicação dos métodos Safari Urbano, Active Design e Observações Urbanas (Jan Gehl).
– propostas de estruturação da rede de espaços públicos a partir da seleção de eixos estruturadores previsto no PDE2014.
– propostas de projeto aplicando os conceitos de placemaking de espaços livres de uso público associados ao sistema de circulação de pedestres previsto no PlanMob2015.

Subprodutos:
– apresentação dos resultados parciais dos trabalhos em seminários, palestras e afins.
– publicação de posts e artigos acadêmicos.

Helena Degreas
helena.degreas@fiamfaam.br

A publicação do calendário ocorrerá em breve…

Arte à Vista: um presente dos alunos do Instituto de Cegos Padre Chico e do FIAM-FAAM para a cidade!

entregaglobaldaysemkt

E não é que podemos fazer arte pública¹ coletiva por meio da integração e do exercício da solidariedade² para o bem comum?  

Alunos do curso fundamental do Instituto de Cegos Padre Chico utilizaram as aulas de Educação Artística para criar desenhos tridimensionais inspirados pelas Paralimpíadas que ocorreram no Rio de Janeiro em 2016.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Com tampinhas de garrafa e palitos de sorvete, as crianças e adolescentes produziram mais de uma centena de propostas em alto relevo que foram encaminhadas ao D!Lab – escritório de criação e inovação do curso de Design de Interiores.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No ritmo de uma maratona, dezenas de alunos prepararam a argila – amassaram e formataram em moldes de 15cm x 15cm para receber e estampar a arte das crianças agora, em baixo relevo.

Numa próxima etapa, as placas foram encaminhadas para os fornos que ficam na Oficina de Modelos localizada na Rua Dona Júlia, Vila Mariana. Mesmo a transferência realizada nos automóveis dos professores foi um desafio pois 180 azulejos ocupam muito, muito espaço e são pesados: 150kg!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Enquanto as placas cerâmicas eram queimadas nos fornos da oficina, duas outras ações ocorriam concomitantemente: a criação do projeto do mural pelos professores e alunos do curso de Design Gráfico que cobriu as empenas cegas dos muros do campus.

Este slideshow necessita de JavaScript.

AS PEÇAS CERÂMICAS ESTÃO PRONTAS!!!!!!!!!!!!

HORA DE FIXAR NO MURO!!!!!!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Próxima etapa – construir um Lounge Urbano: no mais autêntico DIY & tactical urbanism, foi organizada a “Sala na Cidade” – proposta inovadora que pretende disseminar a criação de lounges urbanos espalhados pela cidade, ou ainda, lugares de estar públicos construídos em sobras de sistemas viários. Alunos do CST Design de Interiores e Design Gráfico produziram de forma criativa o layout de um ambiente leve e descontraído para acolher não só os moradores da região bem como toda e qualquer pessoa que queira ler o seu jornal, tomar um lanche à sombra da árvore ou conversar entre amigos. por se tratar de intervenção DIY, o processo durou cerca de 4 horas para a instalação. A sala recebeu mesas, bancos (criados em concreto pelos alunos do curso de arquitetura e urbanismo), vasos e tapetes.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Ao final, crianças com baixa ou nenhuma visão juntamente com nossos alunos, deram um show de cidadania. Tintas, cerâmicas, concreto e alegria contagiante impactaram positivamente o lugar antes inexpressivo. Durante o processo de construção do local, vizinhos e residentes observavam curiosos as ações. Plantando flores nos vasos espalhados nas calçadas ou sentando-se nos bancos recém instalados, moradores dos prédios vizinhos começaram a utilizar a sala de estar e a observar a arte dos muros como algo aconchegante e familiar.

A partir de ações voluntárias, os centros universitários FMU e FIAM-FAAM assumem postura proativa apresentando-se como protagonistas em ações que pretendem mudar a realidade em que se inserem. Por meio de seus comportamentos e ações, colaboram na promoção do bem-estar de seu público interno e externo beneficiando a coletividade e a cidade.

Na mídia:

Programa Ressoar – Matéria da ação na Record News

A cidade como Sala de Aula!

EQUIPE DE VOLUNTÁRIOS

Coordenação Geral das ações
Helena Degreas (viciada em voluntariado)

Instituto Padre Chico – Colégio Vicentino Padre Chico
Somos eternamente gratos ao trabalho desenvolvido pelas professoras e também ao apoio e incentivo que recebemos ao longo dos meses de agosto e setembro. Obrigada!!!
Profª Ana Maria Pirez Alvarez (Diretora Geral – agradecimentos pelo apoio e por ter acreditado nessa ideia)
Profª Ana Maria Diniz Rosalini (Coordenação pedagógica e voluntária também como colaboradora na criação dos desenhos pelas crianças)
Profª Izabel Cristina Dias Bertevelli (Coordenadora de Arte e Cultura responsável pela realização dos cerca de 200 desenhos em baixo relevo  pelas crianças)

CST Design de Interiores
Adriana Valli Mendonça (coordenação do curso e ações); Lilian Regina Oliveira (coordenação DLab!); Cidomar Biancardi Filho (CCERS – núcleo: Memória Cultural e Produção Artística); Elton Monezi, Rafael Jun Mabe, José Antônio Correa

CST Design Gráfico
Virginia Bertomeu (coordenação do curso e ações); Euclides A. Santos – projeto Gráfico de cartazes e mkt para divulgação; Rodrigo Kiko ( Arte gráfica do mural e responsável pelas ações com os alunos) ; Prof. João (responsável pela queima lenta e cuidadosa das cerâmicas – cerca de 20 horas de trabalho, muito, muito trabalho…)

Arquitetura e Urbanismo
Prof. Ricardo Granata (Mobiliário Urbano para a disciplina Laboratório de Tecnologia em 2015); alunos: Érika Lima Lopes, Rafael Paschoalini, Heitor Dias.

Fundação Dorina Nowill Para Cegos
Luiz Defendi, psicólogo e coordenador do Setor de Empregabilidade da Fundação Dorina Nowill para Cegos
Sr. José Cláudio da Rocha e Silva, voluntário

Voluntários Moradores
Juliana Válio e Eduardo Kosh pelo super apoio!!!

Subprefeitura Vila Mariana
Sr. Paulo Pandjiarjian (chefe de gabinete)

Apoio, patrocínios e parcerias
Lukscolor
Chacurfilho Advogados Associados

1

5
1 Os alunos consideraram o conceito de Arte Pública Coletiva produção artística realizada fora dos espaços tradicionalmente dedicados a ela tais como museus, galerias e outros. trata-se de interferência artística em espaços públicos, que modifica a paisagem do entorno, é acessível e, nesse caso, tem caráter duradouro. Nele, os alunos e professores voluntários exploraram o espaço urbano como local para o exercício da cidadania ativa manifestando sua vontade de requalificação de uma área residual de sistema viário (calçada e esquina mal ajambrada) com a participação do público local e outras entidades envolvidas no mais autêntico estilo DIY – Do It Yourself ou ainda, Urbanismo Tático. Os artistas nesse caso foram todos os envolvidos no processo de execução da obra de arte coletiva.
2. Por meio da ajuda altruísta e desinteressada, uma sociedade mostra-se desenvolvida à medida que trabalha de forma constante para defender os direitos dos grupos mais vulneráveis, fazendo frente às injustiças sociais.

Active Design & Projetos Urbanos: promovendo espaços públicos para a mobilidade à pé – experiências do escritório modelo de arquitetura e urbanismo

queridinhos-2016-2

Neste semestre, o escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo  desenvolveu uma série de diagnósticos (etapa 1) utilizando os conceitos Active Design e Observações Urbanas (Jan Gehl) ao longo dos meses de setembro e outubro. Ainda em outubro com finalização em novembro, serão realizadas propostas de projetos (etapa 2) inspiradas no concurso público Áreas 40 promovido pela Prefeitura do Município de São Paulo e que premiou projetos que buscavam a convivência pacífica e segura (reduzindo acidentes e atropelamentos por meio do projeto urbano) entre a mobilidade motorizada e não motorizada (pedestres, ciclistas e outros) nas ruas de São Paulo.

Com o apoio da organização social Cidade Ativa, foi realizado um workshop que teve por objetivo apresentar as ferramentas e instrumentos para a realização de pesquisas (Safari Urbano, medições geométricas, painéis interativos) bem como os diagnósticos das áreas de estudo. O resultado da primeira etapa encontra-se disponibilizado nesse post.

Os projetos deverão atender aos princípios de projeto para Cidades Seguras que objetivam a promoção de espaços públicos destinados à caminhabilidade do cidadão e também que atendam às necessidades de segurança para a mobilidade não motorizada.

As ações desenvolvidas são parte do Projeto de Pesquisa Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção e gestão do espaço urbano do Programa de Mestrado Profissional em Urbanismo do FIAM-FAAM Centro Universitário em parceria com a organização social Cidade Ativa.

Em 19 de novembro de 2016, alguns dos diagnósticos desenvolvidos foram apresentados no XII Encontro Científico e de Iniciação Científica . A programação com o nome dos participantes e seus trabalhos encontra-se aqui.

Equipe 1

Diagnóstico

Apresentação  XII Encontro Científico e de Iniciação Científica
anhembi-ic-1

Etapa 2: apresentação final da proposta para a 
Rafaella Basile e Mariana Wandarti – Cidade Ativa

ap1

Diagnóstico da Rua Taguá, SP realizado pelos alunos do escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo Erika Lima Lopes, Rafaella Ayumi Kaneko e Vitor Manabe Zadra sob orientação da Profª Drª Helena Degreas utilizando o Active Design para desenvolvimento de projetos urbanos. O trabalho é parte do Projeto de Pesquisa Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção e gestão do espaço urbano do FIAM-FAAM Centro Universitário em parceria com a organização social Cidade Ativa.

em_prancha_tagua-1

Prancha_Completa

Equipe 2 – etapa diagnóstico



Aplicação dos instrumentos de análise do Active Design de Observação Urbana (Jan Gehl) para a realização de projetos urbanos com foco em mobilidade não motorizada do ambiente urbano. Pesquisa realizada em parceria com a OnG Cidade Ativa para a Rua 25 de março, SP. A equipe: Maira Brigitte Moraes Pelissari (5651891), Ariadne Silva de Souza (6299937) e Adriano Andrade dos Santos Lopes Araujo (832207).

Apresentação  XII Encontro Científico e de Iniciação Científica 

2

Etapa 2: apresentação final da proposta para a 
Rafaella Basile e Mariana Wandarti – Cidade Ativa

1

Prancha Completa

Equipe 3

Diagnóstico

Análise e diagnóstico da Avenida Deputado Cantídio Sampaio junto à intersecção com a Avenida Fernando Mendes de Almeida, bairro do Jaraguá na cidade de São Paulo, apresentado ao Escritório Modelo do curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM Centro Universitário sob orientação da Profª Drª Helena Degreas utilizando o Active Design para desenvolvimento de projetos urbanos. O trabalho é parte do Projeto de Pesquisa Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção e gestão do espaço urbano do FIAM-FAAM Centro Universitário em parceria com a organização social Cidade Ativa. Alunos: Ligia Frediani da Silva, Kristie Yuka Yokoyama, Renan F. Ribeiro Zupelli, Wagner Godoy

Equipe 4

Diagnóstico

Diagnóstico da Rua Agostinho Rodrigues Filho, SP realizado pelos alunos do escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo Ana Paula Gusmão, Fernanda Jimenez, Marcella Crosato e Priscila Ibacache sob orientação da Profª Drª Helena Degreas utilizando o Active Design para desenvolvimento de projetos urbanos. O trabalho é parte do Projeto de Pesquisa Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção e gestão do espaço urbano do FIAM-FAAM Centro Universitário em parceria com a organização social Cidade Ativa.

Apresentação  XII Encontro Científico e de Iniciação Científica 

2

Etapa 2: apresentação final da proposta para a 
Rafaella Basile e Mariana Wandarti – Cidade Ativa

1

Proposta Final

3

Prancha Completa

Equipe 5 

Diagnóstico

Análise e diagnóstico de área residual viária localizada à Rua Dona Júlia com Av. Noé de Azevedo, bairro Vila Mariana na cidade de São Paulo, apresentado ao Escritório Modelo do curso de Arquitetura e Urbanismo do FIAM-FAAM Centro Universitário sob orientação da Profª Drª Helena Degreas utilizando o Active Design para desenvolvimento de projetos urbanos. O trabalho é parte do Projeto de Pesquisa Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção e gestão do espaço urbano do FIAM-FAAM Centro Universitário em parceria com a organização social Cidade Ativa. Alunos: Antonio Andre Marques Recacho, Amanda Messias Bernardes de Oliveira, Beatriz Stein, Byanca Velasco Alves, Délio Durvalino Moraes, Frederico Fernandes

Etapa 2: apresentação final da proposta para a 
Rafaella Basile e Mariana Wandarti – Cidade Ativa

5

Prancha Completa

Equipe 6

Diagnóstico

Diagnóstico da área de canteiro central localizada entre a Rua Domingos de Morais e a Avenida Professor Noé de Azevedo, SP realizado pelos alunos do escritório modelo do curso de arquitetura e urbanismo Amanda Abreu, Rafael Prado, Carolina Dias Gloeden, Vinicius Zoia, Guilherme Menegatti e Leonardo Baciga Menotti sob orientação da Profª Drª Helena Degreas utilizando o Active Design para desenvolvimento de projetos urbanos. O trabalho é parte do Projeto de Pesquisa Sistemas de Espaços Livres: projeto, produção e gestão do espaço urbano do FIAM-FAAM Centro Universitário em parceria com a organização social Cidade Ativa.

Etapa 2: apresentação final da proposta para a 
Rafaella Basile e Mariana Wandarti – Cidade Ativa

6

Prancha Completa entregue

fonte:
Degreas, H.N. Active Design & Projetos Urbanos: promovendo espaços públicos para a mobilidade à pé – experiências do escritório modelo de arquitetura e urbanismo. Disponível: https://helenadegreas.wordpress.com/2016/10/26/active-design-projetos-urbanos-promovendo-espacos-publicos-para-a-mobilidade-a-pe-experiencias-do-escritorio-modelo-de-arquitetura-e-urbanismo/ Acesso: 27.10.2016